quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Bruxas e Vampiros

Embora não se celebre devidamente o Halloween em Portugal (os comerciantes bem tentam), acho giro dar uma graça aos miúdos neste dia, sem gastar dinheiro em fatos.

A Diana tinha um chapéu de bruxa e uma peruca. Fiz-lhe uma maquilhagem simples e desenhei-lhe uma aranha.
O Eduardo queria ir de zombie, mas isso não era nada simples, e adivinhava-se um grande fiasco... Pintei-lhe os olhos com sombra preta e desenhei-lhe umas presas e um fio de sangue ao canto da boca com delineador de lábios.

Lá iam eles todos contentes, a bruxa e o vampiro.


Já tirei as ligaduras e os pontos da minha cirurgia, mas ocorreu-me que até me davam jeito hoje ao levá-los á escola...imaginem o trio.


segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Praga na Buganvília :: Cochonilha Algodão

A nossa buganvília foi atacada este Verão por uma praga de cochonilha algodão que deixou a nossa bonita árvore neste estado:


A cochonilha é um insecto sugador de seiva que cria uma espécie de carapaça protectora branca em sua volta (daí o nome cochonilha algodão). Por esse motivo, é muito difícil acabar com elas usando apenas insecticidas, pois o produto não chega à criatura.

Quando comecei a ver a buganvília a ficar atacada, usei um spray apropriado para este tipo de praga (daqueles á venda na secção de jardinagem na Leroy Merlin), mas que não surtiu efeito nenhum. 
Na verdade, a melhor forma é limpar a planta afectada retirando os insectos á mão ou de forma mecânica: com jacto de água, por exemplo. Mas isto só funciona no 1º estágio de infestação, quando a planta está pouco afectada.

A minha buganvília esteve assim todo o Verão. 
Os depósitos brancos são as cochonilhas, e as manchas escuras são as suas secreções. A árvore tinha uma aparência debilitada e doente.



 Para me desforrar de uma vez destas criaturas, fui á cooperativa agrícola da minha zona, onde me aconselharam este produto.


É um insecticida á base de óleos e é vulgarmente chamado de óleo de Verão.
Funciona por asfixia, pois cria uma película oleosa á volta do insecto impedindo-o de respirar.
A vendedora indicou-me as proporções de 6 tampas de óleo para cada 10 litros de água.
É aconselhável o uso de um pulverizador de pressão e luvas.

Com essa mistura, pulverizei toda a árvore, insistindo nos aglomerados de cochonilhas.


Este produto é adequado para tratar pragas de cochonilha em várias plantas, inclusive árvores de fruto como videiras, laranjeiras, pereiras, oliveiras.

O produto deve actuar durante 15 dias. Após esse período, deve lavar-se a planta e verificar se ainda existem pontos de infestação (nesse caso, repete-se a operação).

Passadas 3 semanas, a buganvília estava completamente negra, assim como o chão e as plantas em seu redor. Um horror.
Diluí um pouco de detergente amoniacal em água e pulverizei por toda a árvore. Deixei amolecer aquela sujidade durante uns minutos.


Em seguida, lavei toda a árvore á mangueira. Ficou impecável, nem parecia a mesma!


Não é fácil exterminar esta praga, mas é possível. Com um pouco de paciência e com os produtos certos consegui devolver a saúde á nossa árvore. Fica a dica, para quem estiver com o mesmo problema.



quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Emoldurar Flores Secas

Durante o Verão, colhi e sequei em livros algumas flores do nosso quintal com intenção de fazer uns quadros diferentes.

As que resultaram melhor foram as buganvílias e os gerânios.


Coloquei-as entre duas folhas de papel, bem posicionadas para ficar exposto o centro da flor depois de seca.
Fechei-as entre as páginas de um livro pesado durante dois meses.


Aproveitei umas molduras velhas para este trabalho. Passei lixa no verniz, um primário para madeiras e em seguida uma tinta branca/casca de ovo.


Para elaborar estas molduras usei papel para aguarela (pela sua textura) e cartolina num tom cinza claro.

Pesquisei pelo nome científico de cada uma das plantas e pedi ao meu marido para o escrever no fundo de cada folha. Ele tem uma letra mais estilizada e apropriada para este trabalho do que eu...



Dispus as flores e colei-as com pouca cola, para não as estragar.



Coloquei-as na sala de jantar, onde os tons púrpura predominam.
Adoro a nota simplista que oferecem, e o facto de ter conseguido fazer uma coisa bonita com molduras velhas e foleiras.


Reciclagem pote branco e dourado




Custo total deste projecto

Flores - 0€ (A Natureza é muito generosa)
Molduras velhas - 0€
Tintas e primários - Usei os materiais que temos sempre na garagem
Fita de papel, lápis 6b, tesoura e cola - Materiais de uso diário
Cartolina cinza - 0,70€
Papel de aguarela - Comprei um bloco por menos de 2€, mas a intenção até é fazer outro tipo de trabalho.

Participamos com este projecto no desafio de blogueiras Decoração de parede por menos de 10 dinheiros.



P.s Obrigada pelas mensagens de apoio. Estou a ter uma recuperação estupenda, continuo sem dores e até já conduzo em pequenos trajectos.
Já não pareço um gato de pantufas... Segundo os meus filhos, o meu andar assemelha-se agora ao de um robot.


quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Depois da Cirurgia, a recuperação

Primeiro de tudo, muito obrigada pelas palavras carinhosas que me escreveram.

A cirurgia correu muito bem, e fiquei internada apenas nessa noite. Estou em casa a recuperar e preciso de muito descanso, mas felizmente, não tenho quase dores nenhumas (yey) e posso apoiar-me nos pés e andar com a ajuda de canadianas.

A cirurgia a que fui submetida tem o nome de Correcção Percutânea Hallux Valgus Bilateral ( o que vulgarmente chamamos de Joanetes). Com as técnicas actuais, o meu problema pôde ser corrigido da forma menos invasiva possível: de forma percutânea, ou seja, foram efectuados apenas 3 furinhos no meu pé; e os instrumentos são comandados através de imagem raio-x.

Nestes primeiros dias, preciso manter os pés numa posição elevada e aplicar gelo com regularidade.
Consigo andar, mas movo-me de uma forma extremamente engraçada: pareço um gato de pantufas. É tal e qual.


Não uso calçado especial, ao contrário do que me tinha sido informado anteriormente.
No dia da alta, o médico disse-me que poderia usar uns sapatos estilo crocs, uns números acima (por causa do volume das ligaduras).
A alternativa seria uns sapatos ortopédicos planos (e não os baruks com tacão no calcanhar como me falaram), que custam uns 60€. Estranhei um pouco esta flexibilidade de escolha, mas a verdade é que não eram indispensáveis nem me serviam de continuação do tratamento (no meu caso específico), e por isso optei pelo calçado mais económico: 4,5€ pelos crocs. Ainda sinto o meu pé muito rígido, e prefiro andar descalça nestes primeiros dias (mas desloco-me o mínimo possível). Só daqui a 12 dias serão removidas estas ligaduras e os 3 pontinhos em cada pé.


Para quem tem receio de se submeter a esta correcção por medo, ou por ter ouvido histórias sobre dores atrozes, aqui deixo o meu testemunho.
Claro que cada caso é um caso, e haverá situações clínicas mais evoluídas do que a minha e que poderão provocar sensações diferentes, mas a verdade é que estou muito satisfeita com a minha recuperação e com a ausência de dores (apenas desconforto nalguns momentos, e cansaço).
De noite, até me esqueço que fui operada. Coloquei umas almofadas no fundo da cama para levantarem o edredon tipo tenda, e eu poder mover os pés à vontade e não ter peso sobre eles.

Agora vou ali descansar mais um bocadinho. Até já!


segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Pausa no Blog


Queridos leitores, esta que vos escreve vai ser submetida a uma cirurgia ortopédica aos dois pés, o que a vai deixar incapacitada durante vários dias.

Amanhã será o dia da cirurgia. Um dia muito aguardado há mais de 2 anos, e que eu espero que venha ajudar a diminuir as dores que sinto ao caminhar, e os desvios inestéticos que os meus pés têm vindo a sofrer desde os meus doze anos.

Tenho andado bastante atarefada com últimos exames e a tentar deixar a casa toda em ordem, de modo que não poderei responder por agora aos emails.

Estarei em repouso nos próximos dias, mas espero (estou optimista!) retomar os posts já para a semana.

Até breve!


quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Tosquia ao Tapete de Lã

O título poderá ser curioso, mas é mesmo o que faço ao nosso tapete da sala, mais ou menos uma vez por ano.

O tapete em questão foi adquirido no Ikea, há uns 4 ou 5 anos, e foi uma das melhores aquisições que já fiz, pela qualidade e pela durabilidade (infelizmente foi descontinuado). Além disso, é reversível!
É um tapete 100% lã mesclada, muito suave, combina com tudo, e tem a enorme vantagem de repelir mesmo as nódoas: um dos miúdos entornou certa vez um iogurte inteiro no tapete, e consegui remover tudo apenas com papel de cozinha e um pano húmido. O facto de ser mesclado e não liso, ajuda a disfarçar muito bem as marcas de um uso diário intensivo.

O único senão, é mesmo o facto de criar borboto. Além de ser inestético, aprisiona cabelos e outros detritos, o que os torna mais difíceis de remover quando aspiro. Quando começo a ver bolinhas brancas pela sala, assim estilo faroeste, é porque está na altura de lhe fazer o penteado.



Resolvo a situação tosquiando-o anualmente com uma máquina específica para animais (usávamo-la na nossa Fifi), e vou avançando tira a tira. Dá logo para ver os resultados:


No final, fico com um tapete como novo outra vez.


E as sobras...


Parece que tosquiei um caniche...!



segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Grinalda/Coroa de Pinhas Personalizada :: Outono/Inverno



Para a estação Outono/Inverno apeteceu-me criar uma nova grinalda decorativa, desta vez, com pinhas.
Reciclei a antiga grinalda de Primavera retirando os ramos que havia colado, e aproveitei a base.

Tive sorte com as pinhas porque encontrei-as enquanto passeávamos, num grande monte á beira de uma estrada. E eram pequeninas, mesmo como eu queria.



Para criar um bocadinho de contraste, dei umas pinceladas de tinta branca em cada pinha.




Eu queria que esta grinalda fosse personalizável através da cor da fita e da posição da mesma. Deixei um espaço livre para o laço e colei as pinhas com cola quente.



Coloquei dois ganchinhos destes na parte traseira. Concebi esta grinalda para ser usada em duas posições distintas, e com as cores que eu quiser (ditadas pelos laços).






Base da grinalda (reaproveitada): 5€
1 metro de fita de cetim: 0.90€
Tinta branca: 0€ (sobras de projectos anteriores)
Pinhas: 0€

Participamos no desafio Blogueira Criativa.

Boa semana!

terça-feira, 2 de outubro de 2012

De Rústico a Sofisticado :: Pote Pintado a Spray


Esta é uma peça cerâmica que eu recebi como lembrança há algum tempo. Estava ali, um bocadinho triste, porque não se salientava entre os outros objectos.

Embora eu reconhecesse o seu valor artesanal (foi feito á mão no Recife), este apreço não superava a ideia que eu já tinha esboçada na mente para este objecto.

Passei uma lixa fina e lavei muito bem para eliminar o pó e vestígios de gordura das mãos. Este passo é muito importante quando se vai pintar um objecto com tinta em spray - quaisquer dedadas irão arruinar o trabalho, pois a tinta não adere nesses locais.


Usei branco mate para este projecto para obter um maior contraste com a cor do rebordo. Não queria tudo muito brilhante.
Foram necessárias várias demãos para cobrir bem o pote. Eu aplico pulverizações finas e homogéneas, e aguardo que seque bem antes de cada demão.

Para o rebordo, escolhi uma tinta acrílica dourada que já tinha utilizado para pintar em tela há uns tempos. Apliquei fita isoladora de pintura para demarcar a largura pretendida.



Versátil e simples. 
Agora posso usá-lo para alegrar vários cantinhos da nossa casa.




Aproveito para mostrar uma outra recordação artesanal (sueca) que também ganhou muito em ser pintada:

Antes (peça oval)
Depois


(Imagens dos posts sobre a solução decorativa da nossa entrada, e outros objectos transformados com tinta em spray.)


© Hello You . All rights reserved.
Blogger templates by pipdig