segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Asneiras na boca dos nossos Filhos

Quando chegávamos a casa, ao estacionar o carro, ouço o meu filho perguntar do banco de trás:

Oh, mãe, o que é que quer dizer car@$%#?


Meia atónita, perguntei O quê? E o meu filho disse a palavra de novo... (estúpida).

Não entrei em pânico, e perguntei-lhe onde é que ele tinha ouvido aquela palavra. Respondeu-me que vários meninos a dizem no recreio. A minha filha estava ao lado e confirmou.

Com calma, expliquei-lhe o que significava aquela palavra (prefiro que eles saibam), e disse-lhe que era uma palavra extremamente grosseira - a senhora das asneiras. 

Pedi-lhes que nunca a proferissem (à semelhança da mãe e do pai), e que era uma expressão muito feia que as pessoas bem educadas nunca devem usar.

Fui apanhada desprevenida e confesso que me custou ouvir aquela palavra asquerosa saída da vozinha suave e inocente do meu filho (e até me vieram as lágrimas aos olhos quando recordei o momento mais tarde).

Será que devo chamar a atenção da professora sobre este facto, para que os pais desses miúdos fiquem a saber? Custa-me a crer que auxiliares e professoras não saibam ou não ouçam estas barbaridades - estamos a falar de miúdos de 6/7 anos. Já os pais, não devem ter conhecimento.
Eu como mãe, agradecia que me dessem a conhecer tais atitudes dos meus filhos.


17 comentários

  1. É muito triste sim, ouvir isso dos nossos filhos.
    Parece que perderam a sua inocência.
    A minha com 18 meses, ainda não fala o suficiente para dizer tais asneiras, mas estou sempre a chamar a atenção das pessoas que nos rodeiam para não dizerem palavrões perto de nós.
    Na casa dos meus pais, nunca ouvia palavras dessas e sempre fui educada para que não dissesse.
    Com 32 anos, conta-se pelos dedos de 1 mão, as vezes que disse palavrões como esse. Nunca digo e como tal, não sinto necessidade de o fazer.
    Espero que a minha filha, tenha a mesma atitude que eu tive. Lá em casa, não se diz mesmo palavrões. Acreditem se quiserem!
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Como sabe não sou mãe mas penso que lidou muito bem com o assunto :)

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Bem, Carla, esta é uma questao delicada; na verdade,os pais podem nao saber, mas também nao é possivel prever como iriam reagir, ou sequer se os próprios nao usam essas palavras na presenca dos filhos. No entanto, nao acho que seja má ideia falares com a professora, embora no teu lugar nao esperasse grandes resultados.

    Claro que passei pela mesma situacao quando os meus filhos eram mais pequenos, e fiz o mesmo que tu: expliquei claramente o significado e mostrei-me tranquila com o assunto. Cresceram assim, a conhecer a palavra (e os gestos) x e y, mas nunca repetiram; foi quanto bastou.
    Nao te preocupes excessivamente, acho que fizeste o necessário, com a tua explicacao nao creio que eles tendam a repetir as palavras!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Olá Carla

    Sei bem o que sentes, pois passei por isso há menos de um ano. Também fiz um post sobre esse assunto, pois resolvi tudo de uma forma radical e que resultou. Pelo menos nunca mais aconteceu e espero que assim se mantenha.
    Desculpa o atrevimento por deixar o link, mas penso que pode ajudar.

    Beijinhos e boa semana :)

    http://cronicasdeumamae.blogspot.com/2011/05/ensinei-palavroes-ao-meu-filho.html

    ResponderEliminar
  5. Compreendo o teu choque, eu não tenho filhos, mas tenho um sobrinho que amo muito, e ele já vai fazer 9 aninhos, e de vez em quando saí-se com uma dessas, eu tento fazê-lo entender que é feio, é errado e deselegante, e ele normalmente pede desculpa e não repete.

    No entanto nem todos os pais, e familiares se preocupam com essas coisas, alguns até mesmo dizem asneiras à frente deles, e é impossível protegermos os nosso meninos de ouvir essas coisas na rua, escola, ATL, etc, a única opção é mesmo fazê-los entender que é errado.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. CArlita, prolonguei o prazo ;)
    bjinhos

    ResponderEliminar
  7. De facto, é impossível protegê-los de ouvirem esses palavrões. O importante é perceberem que é errado, e que lá porque os outros dizem, nós não temos de dizer. São palavras feias e fortes que não se ouvem na minha casa, nem se deveriam ouvir no recreio com miúdos tão pequeninos.

    Quando disse que estou na dúvida se devo avisar a professora (não os pais, isso é lá com ela), porque a educação e atitude que recebem em casa pode ser muito má, mas na escola têm que seguir uma conduta apropriada.

    Claro que é difícil educar os miúdos (esse papel cabe fundamentalmente aos pais), mas os professores e funcionários escolares também devem impor regras.
    É que os miúdos em questão são mesmo pequeninos: 1º e 2º ano... eu fiquei chocada, eles andam por ali a gritar, não andam a dizer as asneiras ás escondidas... a atitude é mesmo má.

    Em relação aos meus filhos estou descansada e confiante em relação a esse assunto. A conversa que tivemos foi esclarecedora e penso que eles entenderam muito bem, e sabem que podem vir perguntar-me o que quiserem, que eu lhes explico.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. É impossivel protege-los de palavrões e outras coisas más que andam por aí... Temos é de conseguir educa-los de forma a passarem ao largo sem lhes tocar!

    Penso k não vais ter dificuldades em que ele não repita palavrões ;)

    ResponderEliminar
  9. Infelizmente, cada vez mais começam a dizer asneiras muito novos. É triste, mas é a realidade.

    ResponderEliminar
  10. Infelizmente Carla ouve-se muitas crianças a dizer palavrões hoje em dia. Eu já ouvi várias crianças a dizer e fico chocada quanto mais nossos filhos.

    Já me aconteceu uma situação assim e como somos apanhadas de surpresa ficamos um pouco sem reacção.

    Tu reagiste muito bem.

    Não sei se é nas escolas que já não ligam muito a isso, pois na escola da minha filha já ouvi auxiliares a gritarem até mais que os miúdos, para mim soa-me um pouco estranho.

    Não sei se os pais não têm cuidado com este tipo de situação!
    Mas também já ouvi da boca de pais que dizer palavrões não é das piores coisas ... perante isto: sem palavras!!!

    Eu não gosto de palavrões!

    :)

    ResponderEliminar
  11. Infelizmente é muito comum este tipo de vocabulário na boca das crianças, mas se muitas vezes o ouvem em casa o que é que se pode fazer a não ser dizer aos nossos que não digam(e explicar-lhes muito bem o porquê).Quanto ao dizer à professora não me parece mal que diga mas olhe que ela não faz milagres, ela não lhes pode bater,impedir de ver tv ou jogar na playstacion. Ensinar a não dizer palavrões é papel dos pais não da escola.

    ResponderEliminar
  12. Há um ano atrás a minha filha, também disse qualquer coisa desse género. Eu própria disse-lhe o significado. A seguir perguntei-lhe o que é que achava se em vez da dita asneira, os meninos dissessem uns aos putros " Vai para a plilinha!" Ela fartou-se de rir, e nunca a ouvi dizer tal palavra, aliás no dia a seguir disse: "Mãe cada vez que ouço um menino dizer-me isso farto-me de rir".

    Acho que entendeu, e realmente tem lógica o que se diz por aí à boca cheia.

    Quanto ao dizeres à professora, por aqui já se falou em reuniões e os professores afirmam que a educação vem de casa (o que eu concordo) ali eles não ouvem com certeza professores ou auxiliares a dizer tal coisa.

    ResponderEliminar
  13. Há um ano atrás a minha filha, também disse qualquer coisa desse género. Eu própria disse-lhe o significado. A seguir perguntei-lhe o que é que achava se em vez da dita asneira, os meninos dissessem uns aos putros " Vai para a plilinha!" Ela fartou-se de rir, e nunca a ouvi dizer tal palavra, aliás no dia a seguir disse: "Mãe cada vez que ouço um menino dizer-me isso farto-me de rir".

    Acho que entendeu, e realmente tem lógica o que se diz por aí à boca cheia.

    Quanto ao dizeres à professora, por aqui já se falou em reuniões e os professores afirmam que a educação vem de casa (o que eu concordo) ali eles não ouvem com certeza professores ou auxiliares a dizer tal coisa.

    ResponderEliminar
  14. Pois, os meus também não dizem, nem compreendo que se permita que os filhos falem assim, mas infelizmente muitos pais parecem não se ralar. Na minha rua vejo miúdos jogar à bola em frente de casa e oiço-os a dizer dos maiores palavrões. Se dizem assim, aos gritos mesmo em frente da porta, que educação terão?! E falo de miúdos pequenos. Infelizmente serão individuos que passarão vergonhas o resto da vida, dado que nem os principios básicos lhes foram ensinados, enfim...

    ResponderEliminar
  15. Eu sei que gostas de laços, e a ideia dos livros eu "roubei aqui do teu blog lol.
    Um destes dias aconteceu algo assim, a minha Filha veio-me dizer que uma "colega" da escola andava com cigarros e estava a convidar os outros a esperimentar.
    Claro que fui logo falar com a proferrora, estamos a falar de moidos de 10/11 anos.
    São situações que nos podem ser "estranhas, mas eu como mãe acho que devemos chamar a atenção, afinal os professores não podem estar sempre a ver e a ouvir o que os alunos fazem.
    Por isso acho que vai da consciência de cada mãe.
    Beijos da Pinta

    ResponderEliminar
  16. Acho que agiste muito bem.
    Espero não ouvir isso tão cedo da boca do meu filhote, porque acho que nunca se está totalmente preparada pra tal... cá em casa nunca dizemos asneiras e não gosto de ouvir seja onde for e a quem for. Mas infelizmente há pais que não se importam e até acham piada... não entendo!
    Com tanta palavra interessnate para ser ensinada e explicada...
    Mas concordo contigo há que lhes explicar o que é e porque não gostamos de ouvir...
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  17. A minha filha tinha essa mesma idade e um dia na reunião de pais passou-se o seguinte: a professora contou a um pai que o seu filho andava a dizer palavrões. O pai ficou muito surpreendido e aborrecido e disse à professora para não deixar.
    E o que disse a professora perante essa surpresa e aborrecimento?
    A professora disse: " É que o x diz que pode dizer porque lá em casa o pai também diz".
    O pai do x ficou de tal forma que nem proferiu mais palavras.
    O pai do x é arquitecto, não que isso o torne melhor ou pior que quem não o é, mas significa que também não é alguém com pouca instrução, sem bem que muita instrução e boa educação também não andam sempre de mãos dadas.
    Maria-João

    ResponderEliminar

© Hello You . All rights reserved.
Blogger templates by pipdig