Instagram

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Pano H&M Emoldurado II


É a segunda vez que faço este tipo de ideia porque os panos da loiça da H&M são tão bonitos que apetece emoldurar! Pode espreitar aqui o primeiro projecto, e aqui como ficou na nossa cozinha.

Quando encontrei este pano achei-o giríssimo para o quarto da Diana. Ela está numa idade de transição (12), e por vezes é difícil perceber o que posso fazer para atualizar o seu quarto para os próximos anos. Quando lhe mostrei a ideia, partilhou do meu entusiasmo e ainda me ajudou com a moldura e preparação da parede.


Alguns quadros poderão deixar manchas escuras na pintura. Não sei porque é que isso acontece, mas vejo que as molduras Ikea apresentam maior propensão para esse problema. É aborrecido que sempre que eu queira mudar um quadro de sítio, tenha de lidar com estes rastos fantasma. Estas manchas ficaram mais disfarçadas depois de se passar um pano com lixívia diluída, mas o problema só ficaria resolvido pintando de novo aquela área... Os quadros que mudámos são estes que fiz há uns anos quando a Diana era mais pequena.


A moldura que utilizei é o modelo Ribba de 50x70 cm. Estas molduras de grandes dimensões estão cada vez mais leves (o vidro foi substituído por acrílico) e é provável que já não apresentem um problema antigo de abaular com o tempo, pois trazem umas pequenas peças incorporadas que permitem aparafusar o painel traseiro a cada um dos lados. No entanto, não recebi solução por parte da Ikea para resolver a deformação das molduras que adquiri há mais tempo.



É importante que o pano seja muito bem passado a ferro. Eu não o costumo lavar para que mantenha a goma de fabrico. Na montagem da moldura, uso o painel posterior para me auxiliar a manter o tecido esticado em todas as direções e um pouco de fita de pintor quando necessário.






Boa semana!

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Renovação da Cozinha // Azulejos Pintados Parte II


A nossa cozinha sofreu grandes alterações ao longo dos anos. Devido ao facto de não ter sido feita uma grande renovação de uma vez só, acabou por ficar com elementos não muito consistentes entre si a nível de design. Pelo caminho cometeram-se também alguns erros épicos, como a colocação de azulejos cor de laranja vivo na zona dos balcões... Uma solução que se revelou muito promissora foi a pintura dos mesmos com tinta apropriada para azulejos.

Mas a pintura tinha ficado por metade da cozinha, e hoje mostro como ficou a cozinha completa, com os azulejos da parte do lava loiça tratados, assim como as paredes envolventes que eram/são em mármore. Usámos novamente o esmalte para azulejos da Titan. Para ver como eram os azulejos assim como a primeira parte da renovação, pode espreitar aqui.

Também posso dar agora a minha opinião em relação à performance de uso e a facilidade de manutenção, assim como a resistência da tinta. Já passaram vários meses desde a pintura da zona mais problemática da cozinha (lava loiça e fogão) e tenho a dizer que a tinta não se alterou nem um pouquinho, continua acetinada, o tom branco manteve-se e não descascou em parte alguma. Lava-se muito bem ou ainda melhor do que antes, uma vez que as juntas ficam completamente lisas e suaves.
Suponho que se deva ter o cuidado de limpar com brevidade certas nódoas como as de tomate para evitar tingimento da cor, mas uma simples passagem com spray multiusos elimina esse risco.


segunda-feira, 11 de julho de 2016

Lavagem Capa Sofá Kivik (Ikea)


O sofá da gama Kivik que adquirimos para a nossa sala multimédia, é provavelmente, o sofá mais confortável que já tivemos.
Todos gostam de dormir lá as sestas, de tão espaçoso e confortável que é. Após 2 anos de uso, estava na hora de o lavar pela primeira vez. Qual não é o meu espanto quando verifico a etiqueta que indica que não pode ser lavado, apenas admite limpeza a seco! Ora um dos critérios para a compra deste sofá foi precisamente a facilidade com que as capas saem e se lavam. Poderia jurar que aquando da compra, me tinha certificado de que poderiam ser lavadas na máquina.

No site da Ikea, verifiquei agora que dos vários tecidos disponibilizados para este modelo, o Isunda Cinza é um dos que não permite lavagem na máquina. Fiquei aborrecida com isto, pois não contava com esta despesa adicional de cada vez que me apetecer lavar o sofá.


Como é um tecido muito vendido da Ikea, pesquisei um pouco para tentar perceber se alguém no mundo inteiro tinha tentado lavar as capas e qual tinha sido o resultado. Felizmente consegui encontrar alguns relatos, todos eles positivos: as capas Isunda Cinza mantinham a cor e a forma após lavagem em ciclo delicado.

Serve o presente para informar que experimentei lavá-las (não sem antes fazer algumas orações) e saíram impecáveis! Usei um programa de roupa delicada, a baixa temperatura e rotação. As capas foram viradas do avesso e secas ao ar no estendal do quintal.




As capas mantiveram a forma e a cor, e os fechos também não sofreram alterações. Ficaram perfeitas como quando eram novas, o que se traduz num sofá novo e cheiroso outra vez, pelo preço de duas lavagens na máquina (duas cargas para o sofá completo).

Boa semana!

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Que tipo de soalhos flutuantes escolher na hora de remodelar a casa?



As obras de remodelação podem tornar-se um pouco complicadas, especialmente se não dominamos certos assuntos. Por exemplo, quando tivemos que comprar o soalho flutuante para o chão da nossa sala multimédia, não sabia muito bem por qual optar. A verdade é que pouco ou nada sabia acerca de soalhos flutuantes, por isso, de forma a conseguir escolher o mais indicado para o nosso caso, tentei informar-me bem primeiro. E eis aquilo que aprendi relativamente a este assunto:

·      Existem dois tipos de soalhos flutuantes: o sintético e o de madeira;

·   O soalho flutuante sintético tem várias camadas fundidas na sua composição, o que o torna mais resistente, e assemelha-se a um chão de pedra, de madeira ou até a um chão cerâmico, ideal para qualquer tipo de divisão, incluindo a casa de banho;

·     O soalho flutuante de madeira, por outro lado, leva poucas camadas - apenas duas ou três – e tem a vantagem de poder ser envernizado, após um certo desgaste com o seu uso no dia-a-dia;

·    Relativamente aos pavimentos sintéticos, é importante que saiba que existem os DPL e os HPL. Os pavimentos laminados sintéticos DPL são apenas laminados por pressão directa e só têm na sua composição 3 camadas, ao contrário dos HPL, que são pavimentos laminados de alta pressão e são fabricados com 5 camadas, no mínimo. Conclui-se, portanto, que os soalhos flutuantes sintéticos HPL são bastante mais resistentes, estáveis e aguentam um maior impacto. É claro que, sendo um piso bastante superior, vai ter um custo ligeiramente mais alto;

 ·   Outro ponto que devemos ter em conta para saber qual o melhor soalho flutuante, é que os sintéticos têm uma avaliação que determina a sua resistência, a chamada avaliação AC. Esta avaliação é feita com base em testes de resistência às marcas de mobiliário, às erosões, às manchas e a outros impactos, como por exemplo, o fogo. Com uma escala que vai de AC1 (avaliação mais baixa) a AC6 (avaliação mais alta), os pavimentos são assim diferenciados e colocados no mercado.

Estas são as características mais importantes a reter na hora de escolher um soalho flutuante. Para além destas informações, devemos também estar cientes do local onde o queremos colocar, do número de pessoas que o vai pisar e do desgaste que vai ter. Por exemplo, se quiser colocar o pavimento na sala de uma casa onde habite uma família com animais e crianças, deve comprar um soalho bem mais resistente e duradouro. Caso contrário, se for apenas para colocar no escritório, provavelmente não precisará de uma qualidade tão elevada.

Visto que é um investimento considerável, é importante fazer a escolha com consciência: analisar todas as condicionantes, avaliar a relação qualidade-preço de cada um e só proceder à compra quando tiver totalmente a certeza do que pretende. 

Fonte da imagem: Pinterest

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Alisamento Capilar // A Minha Experiência com Escova Progressiva


Desde os meus 18 anos que aprendi a lidar com o meu cabelo ondulado e espesso. Uso sempre uma escova secadora para o moldar (um aparelho deste género), mas noto que a gravidez do Martim me deixou com a pele e cabelo horríveis: a pele seca e cheia de comichões (felizmente já passou) e o cabelo seco e crespo de uma maneira que não havia brushing que o controlasse (no dia a seguir ao cabeleireiro estava outra vez crespo e cheio de electricidade). Escusado será dizer que a escova secadora pouco ou nada fazia por ele.


 À primeira vista, o meu cabelo poderia parecer interessante na parte que toca ao volume e ondulação, mas um olhar mais atento revela um desalinho heterogéneo, áspero, umas madeixas lisas e outras encaracoladas... um autêntico ninho de pássaros (sem desprimor pela habilidade de certas aves).


Farta de ter de lidar com ele (e não conseguir), resolvi informar-me sobre os alisamentos disponíveis. No meu cabeleireiro aconselharam-me a escova progressiva. O produto usado não tem formol, poderia prender o cabelo logo após a sessão e lavar quando quisesse.

Confesso que não gosto de cabeleireiros nem de lá passar várias horas... Para o alisamento e corte estive lá 3 horas. 3 horas a ser massacrada com produtos fedorentos e chapas quentes no meu pescoço e couro cabeludo.

Vou explicar mais ou menos como se processa. À chegada lavaram-me o cabelo com um shampoo especial. Depois de enxuto, aplicaram-me o produto alisante mecha por mecha, no cabelo todo. Ficou a actuar por um bocado. Com o produto ainda no cabelo, e depois de um brushing ligeiro, alisaram-me cada madeixa com chapa quente (esta operação foi feita por duas cabeleireiras, sendo que uma delas era a tintureira, responsável pela cor e tratamentos deste género).


Esta fase parece demorar horas: o cabelo é alisado vezes sem conta, arrepelado aqui e ali, e sentir aquela temperatura no pescoço e orelhas não é agradável. O produto a evaporar liberta imenso vapor e cheiro desagradável. Talvez eu esteja a ser dramática, mas isso deve-se provavelmente ao facto de eu não gostar de passar muito tempo em salões nem que me mexam na cabeça.


Depois deste trabalho, o cabelo é novamente lavado e segue para um brushing meticuloso final. Já não me lembro bem em que altura em que fiz o corte.

À saída, o cabelo vem completamente escorrido, colado à cabeça, sem jeitos nas pontas e a parecer um cabelo liso de Barbie.




Dois ou três dias depois lavei o cabelo. Foi-me indicado que deveria usar um shampoo sem sal e tentaram vender-me um no salão por 21€ com apenas 250ml, mas ao espreitar a lista de ingredientes verifico que continha pelo menos dois ingredientes começados por sodium, de maneira que declinei para pesquisar melhor sobre o assunto. À presente data, ainda não adquiri nenhum shampoo com essa característica, e não sei até que ponto será essencial para manter o alisamento. Ainda tenho que me informar melhor sobre este aspecto.

De qualquer das formas, documentei esta experiência no blog para mostrar os progressos do meu cabelo: depois de lavar, sequei-o com secador (este é outro ponto que pode condicionar o sucesso do alisamento, e deve ser feito sempre) e usei a escova secadora como de costume. O meu cabelo ficou com um volume bonito e natural e foi super fácil de modelar. Além disso, ficou mais brilhante e macio, com um aspecto saudável e a cor ficou realçada. Fiquei super satisfeita com os resultados, era mesmo isto que eu pretendia!




Boa semana!

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Decoração XL Low Cost // Entrada


Na nossa entrada temos um quadro com moldura em madeira de grandes dimensões que tem sido alvo de algumas alterações ao longo dos anos.
Nos últimos tempos teve a pintura que fiz com uma trincha larga e tons sóbrios, mas apeteceu-me trocar pelo poster que adquiri no Etsy e que estava numa moldura mais pequena no cabide que fizémos em janeiro.

O poster é muito barato. Ao completarmos a transação recebemos um ficheiro para download e podemos imprimir nas dimensões pretendidas todas as vezes que quisermos. Gosto tanto desta ideia, que já adquiri do mesmo modo, posters para a cozinha e para o quarto de vestir. A qualidade é excelente, não tendo nada a ver com a generalidade das imagens guardadas na web.
Como a moldura requer um poster de grandes dimensões (50x70), usei os serviços online (foi na foto.com) para encomendar a impressão.


Sempre que mudo o poster a uma moldura de grandes dimensões, uso fita de pintor para fixar o poster ao passepartout e obter um acabamento perfeito. Quando é necessário trocar, a fita descola lindamente, mesmo que tenham passado alguns anos.


Depois de montar a moldura, faço novo acabamento com a fita de pintor no painel posterior.


A entrada tem esta composição de quadros com este formato porque foi a melhor forma de ocultar um grande e descentrado quadro da luz. Não tem sido fácil tentar fazer alterações e manter a composição equilibrada...






Boa semana!

© Hello You . All rights reserved.
Blogger templates by pipdig