terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Rir é o Melhor Remédio (ou pelo menos ajuda)

Um dia destes vivi uma das situações mais embaraçosas de sempre. Até já tive pesadelos do género, mas desta vez foi mesmo a sério.

Ora, seria de esperar que uma rapariga que já fez centenas de análises, consultas e exames embaraçosos e invasivos nos últimos dois anos estivesse preparada para mais aquele exame.

Mais uma TAC, nada de especial.
Mas quando o técnico me traz uma bata de pano curtinha, e me diz para ficar apenas de roupa interior e sapatos é que se deu o clique. Carla, não fizeste a depilação.



A sério? - dizia para mim mesma no gabinete. Eu já suava.
Depois pensei: vou entrar ali como se nada fosse. Pode ser que a sala seja escura.

Qual quê! Aquelas lâmpadas potentíssimas na sala permitiam ver de forma exemplar toda e qualquer fibra de pó no ar, quanto mais a quantidade fantástica de folículos pilosos dos meus membros inferiores.

Deitei-me e fiz o exame. Aquele anel gigante do tomógrafo nem me pareceu tão assustador desta vez. Só pensava em sair dali o mais depressa possível.
O exame acaba e vem uma técnica ter comigo para me ajudar a descer do aparelho. Eu ali estendida naquela triste figura: bata de pano reduzida, pernas peludas e sapatos calçados (os sapatos ainda tornavam a cena mais caricata)... de repente defini a minha estratégia: Carlinha, vais-te levantar de queixo erguido e caminhar para fora da sala como se envergasses o último grito da moda.

E assim foi. A tipa ainda fitou a zona crítica (vulgo, os membros hirsutos) por dois segundos (que pareceram mais longos que todas as temporadas do Doctor Who juntas), mas eu perguntei olhando-a nos olhos se estava tudo bem e se me podia vestir.

Caminhei para o gabinete com a postura estóica combinada mentalmente e vesti-me finalmente. Não me lembro bem dos instantes seguintes passados naquele exíguo espaço, mas lembro-me que proferi uns espécimes de vernáculo bem cabeludos, capazes de deixar orgulhoso qualquer líder de claque de futebol.

Enfim, pode ser que um dia ainda me venha a rir disto.

: : : : : : : : : 

Depois veio o resultado da TAC.
Finalmente tenho o diagnóstico para o mal que me aflige nos últimos anos. Não é nada de muito grave, mas ninguém gosta de saber que tem um problema crónico: Doença de Crohn.

Sinto uma espécie de estranho alívio por finalmente saber a causa da minha anemia, perda de peso (cheguei aos 47kg), cansaço, problemas intestinais, febre, entre outros.
Já estou a ser medicada e assim será... bem, para sempre. A doença não tem cura e é auto-imune, o que significa que o meu organismo é o próprio responsável por esta condição que provoca uma inflamação grave do intestino. Todos os outros sintomas são consequência da inevitável anemia.

Estou a tomar anti-inflamatórios e irei em breve tomar imunossupressores. Esses é que me assustam um pouco: são á base de corticóides e irão diminuir a resposta do meu sistema imunitário, tornando-o mais susceptível a infeções (doente já eu ando, pá!). Um aumento de peso também é possível, além de outros efeitos secundários...

Não tenho andado muito feliz com isto, como é óbvio. Não tenho tido vontade de actualizar o blog, mas agora sinto-me com mais força e até irei fazer posts diferentes do habitual.

Até já!




44 comentários

  1. Pelo menos mantens o bom humor.;)

    Se aceitares um conselho, porque não procuras um homeopata ou naturopata para lhe pedires uma opinião?
    Pelo menos ele pode te receitar alguma coisa para reforçar as tuas defesas.

    Bejinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda terei de fazer outros exames (como o teste de Mantoux) antes de começar a toma dos imunossupressores. Penso que este tipo de medicamentos não tem efeitos tão debilitantes como antigamente, mas é bom prevenirmo-nos. Obrigada pelo teu conselho, vou ter isso em mente. Beijinho.

      Eliminar
  2. Carla, conheço uma pessoa com essa doença, e no inicio foi complicado mas agora é como se nada fosse.
    Vais levar algum tempo até teres pleno controlo de tudo, mas irás chegar lá :)
    Força e agarra-te ao que gostas para nesta fase te dar mais ânimo :)
    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também começo a conhecer várias pessoas que sofrem do mesmo, e todas nós vivemos a doença de forma diferente. Eu por exemplo não tenho restrições alimentares. Ufa!

      Eu até estou otimista, não me entendas mal. Fiquei foi triste por uns tempos.
      Beijinho

      Eliminar
  3. Carlinha, o que eu me ri com a história da TAC e de toda a cena. Só me via numa situação dessas e em como reagiria. Uma pessoa só se ri com o mal dos outros :P
    Quanto ao resto, eu percebo que estejas desalentada. Não é fácil lidar com uma doença crónica. Eu também tenho uma bem tramada. Sofro de endometriose profunda. Sou obrigada a não menstruar e aumentei de peso à conta disso. Mas há males piores e sinto-me uma felizarda por respirar e poder usufruir de muitas coisas boas que outros não têm sequer o privilégio de as poder ter.
    Beijinhos e tudo a correr bem desse lado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por partilhares o teu testemunho Luarte.
      Não mata mas mói, como se costuma dizer. Fiquei aborrecida e ando mais calada. Estou a digerir a informação e tento não fazer pesquisas sobre o assunto. Mas estou a melhorar e começa a apetecer-me de novo actualizar o blog e conversar com as pessoas.

      Obrigada e um beijinho para ti também.

      Eliminar
  4. Amiga, primeiro fazes-nos rir, depois lanças a bomba, espero sinceramente que tudo corra pelo melhor e consigas sempre viver com este problema da melhor forma.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ideia era mesmo levar isto com ânimo leve :) Se eu lesse esta história num outro blog, provavelmente iria rir bastante. Ou até daqui a uns tempos possa rir com aquilo, but not yet...
      Beijo

      Eliminar
  5. Eu que nem sou muito peluda ia querer desaparecer de certeza :D
    Quanto à doença, ninguém gosta de descobrir que tem um doença crónica mas o espírito com que se enfrenta a situação determina muito o poder que teremos sobre ela. Por isso, força positiva!
    E confesso que tb partilho da opinião da Poupadinha. Num mundo cada vez mais artificial como o nosso não custa nada tentar um equilibrio por vias mais naturistas...
    Bjinhos,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A situação foi horrível, digna dos meus «melhores» pesadelos. Uma pessoa já se sente tão vulnerável naqueles ambientes e com aquelas incertezas...

      Irei sem dúvida tentar saber mais sobre os tratamentos. Nem sou de ir logo correr a tomar um comprimido para a dor de cabeça, agora tenho estas chatices todas com uma data de efeitos secundários. O meu estômago já se ressentiu no início, agora está melhor.

      Obrigada e beijinhos

      Eliminar
  6. Imagino o embaraço, fartei-me de rir com a história da depilação :)

    Quanto ao resto infelizmente também conheço a sensação de receber uma noticia semelhante: doença crónica auto-imune, parece que desaba o mundo na nossa cabeça, no inicio não é fácil eu não aceitei e a maior parte das vezes tento não pensar no assunto para não ir abaixo, é viver a vida sentindo gratidão pelo que se tem e acreditar que vai correr tudo bem.
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Disseste-o muito bem Sónia.Eu já passei por diversas fases mesmo tendo acabado de receber a notícia.

      E aquela luz potente, senhores... aquela luz!

      Tudo de bom para ti. Um beijinho

      Eliminar
  7. (Comentário original)

    Olá Carla, já sou seguidora do blog há algum tempo mas ainda nunca tinha comentado, ams como por coincidência eu também tenho doença de Crohn, foi-me diagnosticada em 2003 depois de meses de dores e mal estar permanente. O primeiro ano foi difícil até porque eu tenho uma doença articular associada (o que acontece às vezes)e estive com uma crise articular algumas semanas. Tomei medicamentos durante uma ano mas agora só tomo em SOS, tenho muito cuidado com a alimentação e tento ter uma vida regrada e calma ( dentro do possivel) e dormir bem... Claro que como diz o meu médico que é especialista em Crohn, não há doenças há doentes, e as lesões a nivel intestinal podem ser maiores ou menores e no meu caso é pequena.
    Não é uma noticia boa..mas há piores e aprende-se a viver com ela..qualquer coisa diga !
    Força e as melhoras
    bjs

    Obrigada pelo testemunho Teresa.
    Eu não tenho restrições alimentares por enquanto, felizmente.
    O tamanho da minha lesão tem mais de um palmo de extensão e apresenta algum espessamento. Estima-se que eu já tenha este problema há mais de 10 anos, e que foi evoluindo lentamente até 2010, data em que iniciei os exames por me encontrar de rastos, física e emocionalmente. Na altura até pensei que fosse uma depressão.

    Ainda estou numa fase inicial de conhecimento da doença, e agradeço a sua disponibilidade. Abraço

    ResponderEliminar
  8. Depois de uma situação desta, pelo menos desanuviaste um pouco :)

    Espero que consigas lidar bem (dentro do possível) com a doença... muita força :)

    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  9. Parabéns em primeiro lugar pelo teu bom humor e força.
    Tendo para digerir uma noticia destas e ainda assim escrever um texto que nos faz rir é de louvar.

    Desejo que tudo de corra pelo melhor.

    Beijos
    Um dia feliz

    ResponderEliminar
  10. Carla,

    Espero que corra tudo pelo melhor! Conheço uma pessoa com essa doença e faz a vida normalíssima, é só questão de estares mais atenta.
    Vais ver que daqui a uns tempos nem te lembras que a tens.
    Beijinho,
    Filipa
    www.welc-home.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  11. Hehehehe...

    Sabes Carla, já me aconteceu o mesmo, fui toda feita a uma consulta de rotina e diz o médico para mim, como anda muito ansiosa, vamos ali ao gabinete do lado fazer um electrocardiograma. HÃ!!!, fiquei sem ponta de sangue, pensar que tinha que baixar as meias e mostrar a quantidade de pêlo que habitava a minha perna!!!

    Desejo sinceramente que tudo corra pelo melhor.

    Bjs e força,
    MJ

    ResponderEliminar
  12. Que corra tudo bem :) Que continues com essa boa disposição e que assim dês uma rasteira nessa maldita doença.
    Um beijinho muito grande e muita força para ti e para a tua familia que te apoia.

    ResponderEliminar
  13. Espero que corra tudo pelo melhor e que continues com essa boa disposição. Força!

    ResponderEliminar
  14. Força Carla! Vai td correr bem!!!! Tens é de continuar com ânimo porque a vida continua! Força!!! Beijinhos
    Carla

    ResponderEliminar
  15. hahaha... aconteceu parecido comigo quando fui estudar longe da cidade onde moro. A certa altura da primeira aula do ano disseram-nos que se tratava de uma aula trote e que o professor de verdade estaria por chegar. Enquanto isso, os veteranos da faculdade promoveram um jogo de futebol na rua, de moços contra moças, e a bola era um côco verde. Até aí tudo bem, mas nos informaram que teríamos que jogar, as moças, com os sutiãs por cima das camisetas, e os moços, com as cuecas por cima das calças.
    Muito menina que era, fiquei horrorizada, e logo depois da aula, liguei para minha mãe, achando que ela iria me apoias naquela "indecência". Mas, para meu espanto naquela época, ela só me perguntou: "Não estava com aqueles sutiãs velhos que já começam a soltar os elásticos, né?"
    Lembrei-me disso ao ler sua história... rsrsrsrsrs

    E quanto ao probleminha de saúde, vais tirar de letra, vais ver... :)

    Fique bem!

    Beijo Brasileiro.

    www.maosdapati.blogspot.com

    ResponderEliminar
  16. Carlinha, conheço a doença porque a tem um tio meu e eu própria fiz exames de despiste (não se confirmou tenho apenas síndrome do colon irritável). O meu tio foi diagnosticado há muitos anos e com os devidos cuidados faz uma vida normal saudável e feliz! Tudo de bom, beijinhos

    ResponderEliminar
  17. Beijinho e força para si Carla ;)

    ResponderEliminar
  18. Querida Carla, estava eu a rir a bom rir com a cena "cabeluda" e acabas com uma noticia ta pouco divertida. Desejo que tenhas muita determinacao e vontade vencer esta adversidade que tenho a certeza que como grande mulher que pareces ser, tiraras isto de letra. Um grande beijinho e bola pra frente... que atras vem gente.
    Tens o meu email se algum dia te apetecer desabafar ;)

    ResponderEliminar
  19. Pensa que agora já sabes o que tens e que podes tomar medidas para combater os sintomas. A minha tia toda a vida viveu com essa doença, claro que ela diz que no inicio é dificil mas que depois se torna uma coisa normal... Ela tem muito cuidado com a alimentação mas tirando isso faz uma vida perfeitamente normal. É uma maluca e está sempre pronta para a galhofa... :-)

    O que interessa é começares a sentir-te bem.

    Muita força.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  20. Fartei-me de rir com a situação, estava a imaginar-me no teu lugar! Meu Deus! Em relação ao resto, espero que corra tudo bem, o melhor possível mesmo.

    ResponderEliminar
  21. Carla ainda não ando muito nestes médicos, mas quando vou, eu já fico nervosa um dia antes, nem consigo dormir, ainda não me acostumei com isso.

    Enquanto a sua saúde. Sabes que és guerreira e vai conseguir passar por cima de tudo isso!

    ResponderEliminar
  22. Força, linda! Que tudo corra pelo melhor e vai com calma! Para te animar um pouco (espero!), e ainda falando da tua peripécia do exame, digo-te que conheço uma rapariga que passou pelo mesmo (não, por acaso não fui eu!! Mas bem podia ter sido!) só que ela, para além de passar pela vergonha de se ver praticamente despida e peluda até dizer chega, ainda passou pela vergonha de, nesse dia, levar vestidas umas cuecas com o Snoopy!! Estás a imaginar a figurinha, não?! Eheheh! Beijinhos.

    ResponderEliminar
  23. Carla, espero que não leve a mal, mas já me ri com a sua história :) Sigo o seu blog e as suas sugestões que até já coloquei várias vezes em prática, mas nunca escrevi aqui, mas hoje perante a seu humor perante uma situação tão complicada tive de o fazer, para lhe dizer obrigada por partilhar as suas ideias e parte da sua vida com os que estão do outro lado do computador e desejar que corra tudo pelo melhor. Mantenha sempre esse humor. Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria, desde já obrigada pelo seu primeiro comentário no blog.
      Eu não quis deixar ninguém constrangido, e por isso mesmo é que contei o episódio infeliz que terá a sua graça... se achou engraçado ria á vontade :) Ele serviu mesmo para desanuviar. Se não tivesse ocorrido o momento cabeludo, muito provavelmente eu não teria contado o meu historial clínico.

      Por isso ria sempre e muito!
      Um beijinho.

      Eliminar
  24. ola carla ... eu nao costumo comentar muito o teu blog ... mas leio smpre ate o tenho na minha barra de marcadores =) .. acho que sim que deves continuar a actualizar o blog .. pensa que pelo menos eh uma distraxao de tudo =) i força .... =) muita força ...a vida vai continuar a sorrir te apesar de tudo =) beijinhos grandes =)

    ResponderEliminar
  25. Carlinha como dizem e é verdade vêem se caras e não se vêem corações.

    "Pelo menos já sabes o que tens "
    Vai daqui um abraço forte com boa ENERGIA ,considero te uma LUTADORA e sei que mais uma vez vais tirar algo de bom desta experiencia
    Muita força minha querida ,obrigada pela partilha

    Um bj grande
    Lulu

    ResponderEliminar
  26. Já deu para rir...
    Situação parecida? no ginecologista! Ia SÓ para mostrar uns exames e..., dispa-se que vou observá-la!?!?!?
    Fiz de conta que não era nada comigo e engoli em seco.

    Quanto à doença, e pensando que só vivemos um dia de cada vez, é ter calma e nunca deixar de acreditar.

    Um Beijo
    Maria

    ResponderEliminar
  27. Olá Carla, tenho uma pessoa muito chegada com o mesmo diagnóstico. É claro que ninguém gosta de ouvir que tem uma doença crónica mas coragem. Existe uma fase de habituação mas é possível levar uma vida normal. Beijinhos e abraços,

    ResponderEliminar
  28. Olá Carla!

    A algum tempo não passava por aqui, mas não esqueço o caminho e venho sempre que o tempo permite.

    Ainda me ri com o texto, ser mulher não é fácil, só nos resta rir, hahaha...

    Pois, mas aí vem a questão da saúde e realmente é complicado receber a notícia de que se tem uma doença crónica. Mas, como "ser mulher não é fácil", nós temos uma força gigante e acabamos por ultrapassar tudo com um sorriso no rosto :D

    Uma amiga da minha cunhada ficou a saber que tem este mesmo problema teu, foi medicada e fará exames de rotina, a médica disse-lhe que em breve todos os sintomas indesejáveis vão abrandar fortemente, por isso não é mesmo para ficares preocupada Carla, além disso a medicina está muito avançada em vários campos.

    Bom...apesar de não nos conhecermos, daqui vai um abracinho apertado e força!

    Beijinhos e bom fim de semana,
    Patricia.

    ResponderEliminar
  29. Olá Carla,

    Conheço a doença, sim. Na cidade onde vivo (infelizmente muito longe para ti) existe um grupo de auto-ajuda, ou seja, um grupo de pessoas que padece da doença de Crohn e que está em contacto regular para troca de ideias, experiências, dicas, etc etc. No fundo, apoiam-se mutuamente a par da vida normal que fazem. Existirá algo do género no hospital da tua àrea de residência?

    Com medicação e apoio, depois do "embate inicial" vais com toda a certeza seguir com a tua vida normal. Pior estavas antes, com todos os sintomas e sem a medicação e tratamento correctos. É difícil, claro, o diagnóstco "doença crónica" diz tudo, mas pensa que tem forma de ser controlado.

    E para animar, sei perfeitamente o que sentiste na versão-perna-peluda, porque me aconteceu há duas semanas, quando parti o pé e fui ao hospital com perninha à mulher das cavernas. Que vergooooooooooooooonha...

    Beijoca

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa troca de experiências deve ser muito interessante, e nunca me tinha ocorrido que pudesse haver grupos desses para este mal, hei-de averiguar.

      Realmente a perna peluda é de matar de vergonha... Quando fui tirar as ligaduras da minha cirurgia depilei-me o melhor que podia antes de ir. E depois sou apanhada de surpresa numa rotina destas... Enfim, as melhoras para ti e que recuperes muito rápido. Obrigada pelas palavras, beijinho.

      Eliminar
  30. Ora bolas Carla! Mas sabes... do mal o menos. Vais ter de aprender a viver com "ela" e pelo que sei a dieta é muito importante. Também tenho anemia mas o porquê ainda não foi descoberto. Um grande beijinho e deixa lá a perna peluda... não é agradável, é verdade mas adorei a tua atitude! Um abraço doce, Dulce

    ResponderEliminar
  31. Querida Amiga
    Muita força !!!Nunca esqueça que Deus está acima de tudo, e nada acontece se não for para o nosso próprio crescimento. Tudo se resolve a seu tempo com coragem e muita fé. Beijo Telma

    ResponderEliminar
  32. Olá Carla,

    Fartei-me de rir com a cena da perna-peluda, já me aconteceu uma parecida ;)
    Também tenho a doença de Crohn, foi-me diagnosticada aos 14 anos. Na altura fiquei triste e chocada, mas aprendi a viver com ela e, com a medicação certa, segui com a minha vida :)

    Também vais conseguir seguir com a tua vida, muita força e não desanimes ;)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  33. Olha gostei mais de ler a primeira parte....agora como sou 2lerda" nestas coisas de doenças vou ver no amigo google que doença é essa.
    Espero que consigas ultrapassar este momento e seguir com a vida "cabeluda" em frente.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  34. Carla, espero que essa força se mantenha e que recuperes, de certa forma, o teu bem estar físico e mental! Em relação à parte peluda, bem, já passei pelo mesmo, mas no sovaquinho, não eram muitos, mas o suficiente para eu perguntar duas vezes se tinha mesmo de levantar os braços...OMG!! :) Mas ólha, azarinhos, quem não gostar que não olhe!
    Bjs e boa semana!

    ResponderEliminar
  35. Já ouvi falar da doença.
    Pelo menos sabes qual é o problema e como agir... ;) Estou a falar do pêlos e não da doença! haha brincadeirinha, era da doença! Mas tb se aplica aos pêlos!
    Força na tua nova caminhada de medicação e dietas ;)

    ResponderEliminar

© Hello You . All rights reserved.
Blogger templates by pipdig