quarta-feira, 29 de junho de 2011

Querido, vou mudar o Quarto

Ai vou, vou.

Fiquei altamente inspirada por esta imagem retirada da Revista El Mueble, que compro periodicamente.



Não vou mudar a mobília (oohhh...), nem a disposição. A minha disposição para os tons é que mudou, e vou apenas valer-me do poder de transformação dos tecidos, para alterar o visual do nosso quarto.
Vai deixar os tons outonais e ganhar sabor de Primavera/Verão.

Neste momento, está assim:






Continua...

terça-feira, 28 de junho de 2011

Sabores Alentejanos

Tanto eu como o meu marido, temos costela alentejana, e como tal, apreciamos uns pratos típicos de vez em quando: açordas, gaspachos, migas...
Como fomos ao Alentejo, aproveitamos para trazer beldroegas, uma planta rasteira com folhas carnudas e que cresce por todo o lado nesta altura. Começa a aparecer á venda em certos mercados, mas é ainda desconhecida de muitos.

Como sopa de beldroegas desde pequena, mas só hoje experimentei fazer eu mesma.

Ficou uma maravilha, e com um ovinho escalfado, e cubinhos de queijo a acompanhar... Já tinha saudades.


Para quem quiser experimentar, basta estar atento aos caminhos para encontrar beldroegas (mas cuidado com o xixi de cão!).

Escolha as folhas e talos tenrinhos e lave muito bem. Se quiser, também pode congelar para outras vezes: espalhe-as e deixe-as secar ao ar. Depois armazene em saquinhos de plástico.


A receita para a sopa é muito simples: refogue uma cebola em rodelas e alguns alhos (deixe a pele roxa).


Entretanto, escalde as beldroegas para suavizar o sabor amargo (há quem dispense este passo).


Escorra as beldroegas e adicione-as ao refogado. deixe por uns minutos, e junte água quente e batatas cortadas em rodelas ou cubos. Tempere de sal, e deixe cozinhar até as batatas estarem cozidas.
Escalfe os ovos (consoante o número de pessoas) e sirva á mesa.

Os cubinhos de queijo são opcionais, mas tornam a sopa mais rica em sabor e originalidade.


Bom provêto!

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Fugir à Rotina por um Dia

Demos folga á rotina, e fomos passar um dia ao Alentejo, em casa de familiares.
Os miúdos adoraram aquela vida de campo, e a minha filha, que é muito entendida nestas coisas, disse:
Parece como antigamente, mãe! Que de coisas de antigamente, percebe ela.

Correram por entre as árvores de fruto, deram comida aos coelhos, riram-se dos penachos despenteados das galinhas, enjoaram-se com o cheiro dos porquinhos...

Brincaram muito, e sujaram-se ainda mais.

E nós, aproveitámos para descansar do barulho da cidade, comer comida a sério, e desfrutar dos prazeres da vida no campo.












quinta-feira, 23 de junho de 2011

Dica para fazer durar mais as Hortênsias



Decerto já experimentou cortar uma bela hortênsia para colocar numa jarra, e ela murchou logo.

Para fazer durar mais tempo uma flor de hortênsia cortada, deverá submergir o pé da flor (cortado na diagonal) em água muito quente (não a ferver). A flor poderá ficar nessa mesma água até arrefecer.
Se efectuar esta operação directamente na jarra que vai utilizar, verifique se esta aguenta a temperatura!

Este truque muito simples, vai proporcionar uma maior duração das flores.



Outras curiosidades:

* As hortênsias possuem um princípio activo que as torna venenosas. Este veneno pode provocar dores abdominais, convulsões, vómitos e coma. Atenção ás crianças e animais!

* A cor varia consoante o pH do solo: se for alcalino, as flores serão rosa, se for ácido, serão azuis.

*Existem á venda produtos específicos para alterar a cor da hortênsias (normalmente para azul). Estes produtos são constituídos á base de sulfato de alumínio, e alteram as propriedades dos solo.

*Também pode colocar na terra uns pregos velhos e ferrugentos para alcançar um efeito azulado/violeta.


quarta-feira, 22 de junho de 2011

Patetice Criativa

O meu filho nunca gostou de brincar com carrinhos. A cena dele, é mais construções e desenhos. Brincadeiras que envolvam criar e inventar, é com ele.

Depois do Bob o Construtor (que ele agora diz que é para bebés), mergulhou no mundo dos Bionicles e é ver peças e pecinhas por todo o lado. Eu, que julgava que aquilo se ficava pela construção dos guerreiros (que ingénua fui), fiquei agradavelmente surpreendida quando percebi que o meu filho também criava naves e criaturas elaboradas, que se assemelham a dragões, tubarões... e ás vezes são uma mistura, como se de uma obra de um cientista louco se tratassem.

A sua nova criação: uma arma auto-ajustável ao pulso, com mira, gatilho, e que realiza mesmo disparos!






É tão querido e pateta, o meu filho...

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Tempero Rápido, Saudável e Saboroso

Quem, como eu, tiver um quintal ou jardim onde possa cultivar algumas plantas aromáticas, pode ter durante todo o ano, temperos óptimos para a cozinha.

Se não tem um pedaço de terra para as cultivar, também pode experimentar em varandas viradas ao sol. As plantas aromáticas em geral, gostam muito de sol em abundância.

Alecrim, salsa, alfazema...


Tenho sempre alecrim, salvia, manjerona, cebolinho, salsa... Nesta época, planto também basílico (ou manjericão). Depois guardo as folhas no congelador, e apanho as sementes para o ano que vem.

As folhas carnudas da salvia são óptimas para temperar também os bifes e costeletas.

O nosso arbusto de manjerona

Para o jantar, tinha um pedaço de lombo de porco para assar. Não gosto de temperar estas peças em cima da hora, porque depois ficam sensaboronas, sem contar que acabamos por juntar muito sal para compensar.
Mas com apenas meia hora de antecedência, com uns raminhos de manjerona, e umas folhas de salvia, consegui um prato cheio de sabor.



Fiz uns cortes na carne em ambos os lados. Isto ajuda a temperar melhor, e acelera o assado.
Reguei com azeite e vinho branco. Coloquei salvia e manjerona nos cortes, e temperei com sal, pimenta preta e pimentão doce.

A carne ganha um sabor fantástico, muito aromático. Com ervas frescas acabadas de apanhar, saudáveis e gratuitas.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Ideia para Festinhas de Aniversário


Uma ideia muito simples e atractiva para as festas de aniversário dos mais pequenos: espetadas de gomas.

Fazem-se com pauzinhos de espetada, gomas sortidas e fitas de ráfia coloridas.

Podem oferecer-se aos convidados durante a festa (nesse caso não será preciso embrulhar), ou como brinde quando os pequenotes se vão embora. Mas atenção, talvez não seja apropriado para crianças com menos de 3 anos, pois poderão magoar-se.

É uma alternativa económica e original, dos brindes e saquinhos que se compram para estes eventos.


Colorido e saboroso!

sábado, 11 de junho de 2011

Darte Verde Forever

O meu filho: Mãe, podes pôr outra vez o Darte Verde?







E assim vamos enjoando mais e mais deste anúncio...

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Adubar Orquídeas

Crio orquídeas há apenas um ano, de modo que os meus conhecimentos vêm pouca da experiência de lidar com elas e das pesquisas que faço pela web.


Agora que tenho 4 espécimes, achei que valia a pena comprar um adubo específico para as mimar e estimular a floração.


As instruções do produto aconselham a adubação de 15 em 15 dias no período de Março a Outubro.
Uma pequena porção do produto (1/4 de tampa) dá para 1 litro de água, rende bastante.

Como sou poupadinha, lembrei-me de aproveitar a água da rega para outras plantas vulgares cá de casa (diga-me se estiver a fazer alguma asneira).
Coloquei uma bacia e reguei uma a uma, todas as orquídeas. (Mas não utilizei a mesma água entre elas. Reguei-as e a água escorreu para a bacia. São plantas sensíveis e eu não quis correr o risco de propagar uma doença entre elas)


Depois coloquei-as a escorrer uns minutos, antes de as colocar de novo nos vasos.


Tenho lido várias dicas sobre a melhor altura para regar as orquídeas. Uns dizem que é semanalmente, outros dizem que é quinzenalmente, outros dizem que o segredo é uma quantidade ínfima de água (até usam uma seringa para medir a quantidade exacta). Bem, eu descobri uma outra opção, que é a que tenho adoptado: sinto o peso do vaso (interior, de plástico). Quando está bem leve, é altura de regar. E nota-se uma grande diferença para o peso que adquirem depois de ser regadas. As raízes funcionam como esponjas, e o conteúdo fica mais pesado.

Claro que isto só lá vai com a experiência, é um pouco intuitivo, mas tenho-me dado bem com esta prática (e elas também).

Aceito sugestões e dicas, pois estou sempre a aprender, e posso até estar a fazer alguma coisa errada sem me aperceber.


quarta-feira, 8 de junho de 2011

Sapateira transformada em Banqueta



Para a nossa entrada, tive a ideia de transformar a sapateira que estava no quarto de vestir.
O meu marido não gostava nada daquela peça, e eu achei que, em vez de a pôr no lixo, ia ficar bonita transformada em banqueta.


O meu marido diz que eu tenho uma ideias porreiras, mas o trabalho sobra sempre para ele, hihi.
Desmontou-a toda, serrou, colou, pintou, mudou os puxadores...


Da minha parte, fiz o assento e forro para a banqueta.
Costurei um patchwork com tecidos Tilda. Foi o meu primeiro trabalho deste género. (Já estou treinada para fazer uma colcha!)






Usei um colchão velho da caminha do meu filho, e um pedaço do painel posterior que tinha sobrado da sapateira. Cortei a esponja e forrei com o agrafador.



Puxadores da Zara Home


Espelho Ikea

Até o interruptor teve direito a transformação. Foi pintado com tinta de automóveis.

Antes


Depois




A banqueta ficou bastante robusta, e serve para guardar os nossos sapatos assim que entramos em casa.
Podemos fazê-lo sentados tranquilamente, e pendurar o resto das coisas nos ganchos de parede.


Participámos com esta ideia no The DIY Show Off Project Parade.
© Hello You . All rights reserved.
Blogger templates by pipdig